emocoes
O grupo das emoções é composto de 4 ou 6? (Pixabay)

De acordo com a psicologia, as emoções são muitas vezes definidas como estados complexos de sentimentos que resultam em mudanças físicas e psicológicas, as quais influenciam o pensamento e comportamento.

Chamadas de Big Six, ou seja, as grandes 6, são a alegria, a tristeza, o medo, a surpresa, a raiva e o nojo. Não podemos confundi-las com sentimentos, os quais ultrapassam a casa dos 300. Abordarei este tema em outro post, prometo!

Porém, em 2.014, o Instituto de Neurociência e Psicologia da Universidade de Glasgow, na Escócia, apresentou um estudo reduzindo as grandes emoções em 4: felicidade, tristeza, medo e surpresa e raiva e nojo. Esses últimos foram agrupados e o motivo é simples. Raiva e nojo para os cientistas ficaram em um único grupo das emoções porque as expressões faciais diante deles era única. O mesmo ocorreu com medo e surpresa: a mesma expressão facial.

“Uma emoção é um estado psicológico complexo que envolve três componentes distintos: uma experiência subjetiva, uma resposta fisiológica e uma resposta comportamental ou expressiva”.

(Hockenbury & Hockenbury, 2007)

emocoes 1
Uma das emoções é a surpresa (Pixabay)

As emoções exercem uma força incrivelmente poderosa sobre o comportamento humano. Fortes emoções impulsionam o ser humano a fazer coisas incríveis que normalmente não faria ou podem ajudar, de forma incrível, a evitar determinadas situações. Segundo o autor David G. Meyers, a emoção humana envolve “… excitação fisiológica, comportamentos expressivos e experiência consciente”.

As principais teorias agrupam as emoções em 3 categorias principais:

  1. Psicológica: as respostas no corpo são de responsabilidade das emoções
  2. Neurológica: as atividades cerebrais levam a respostas emocionais
  3. Cognitiva: os pensamentos e outras atividades mentais desempenham um papel essencial na formação da emoção

A evolucionária teoria darwinista

Considerada revolucionária, a teoria do naturalista Charles Darwin, segundo o livro The Expression of the Emotions in Man and Animals, de 1.872, as emoções evoluem. Isso porque eram adaptativas e permitiam que os seres humanos e os animais sobrevivessem e se reproduzissem. Sentimentos de amor e afeto levam as pessoas a buscar companheiros e a se reproduzir. E sua teoria de “luta ou fuga” em relação ao medo, ainda prevalece. De acordo com a teoria evolucionária da emoção, as emoções existem porque servem a um papel adaptativo. Emoções motivam as pessoas a responderem rapidamente aos estímulos no ambiente, o que ajuda a melhorar as chances de sucesso e sobrevivência.

Para Darwim, tanto os homens quanto os outros animais expressavam emoções por meio de comportamentos similares. Até hoje muitos psicólogos concordam que certas emoções são universais para todos os seres humanos, independentemente da cultura, da raça e do país, que são as do Big Six: alegria, raiva, medo, surpresa, nojo e tristeza.

Teoria da Emoção de James-Lange

Em 1.884, o psicólogo William James propôs que “nós ficamos tristes porque choramos, zangados porque agredimos, com medo porque trememos; não choramos, agredimos ou trememos porque estamos tristes, zangados ou com medo”. Ou seja, ele foi na contramão de que a emoção leva a uma mudança física. Na sua teoria, o reconhecimento dos sintomas pelo cérebro é que faz com que gere essas emoções. Para ele, as sensações físicas são a emoção. 

Independente de James, outro psicólogo, o dinamarquês Carl Lange tinha a mesma proposta, por isso, passou a ser conhecida como a Teoria da Emoção de James-Lange.

Teoria de Cannon-Bard

Em 1.927, o neurofisiologista Walter Cannon refutou a teoria James-Lange. Para ele, ao contrário, o estímulo ameaçador conduz primeiro à emoção do medo, por exemplo, e para causar uma reação no corpo, observou que do cérebro à reação física levava de 1 a 2 segundos. Poucos anos mais tarde, Cannon junto com Philip Bard, propuseram que a mente e o corpo operam independentemente quando experienciamos emoções. De acordo com a teoria de Cannon-Bard, a informação de um estímulo produtor de emoção é processada em estruturas subcorticais, provocando a experiência de duas coisas separadas aproximadamente ao mesmo tempo: uma emoção e uma reação física. Segundo os dois, sentimos emoções e experimentamos reações fisiológicas como sudorese, tremor e tensão muscular simultaneamente. Para os dois, quando o tálamo envia uma mensagem ao cérebro em resposta a um estímulo produtor de emoção, resulta em uma reação fisiológica. Ao mesmo tempo, o cérebro também recebe sinais que desencadeiam a experiência emocional. Na teoria de Cannon-Bard, duas coisas separadas ocorrem quase que ao mesmo tempo: a emoção e a reação física. 

Teoria de Schachter-Singer

É também conhecida como Teoria Bifatorial da emoção. É um exemplo de teoria cognitiva. Ela sugere que primeiro surgem a excitação fisiológica e, em seguida, o indivíduo identifica a razão por trás dos sintomas. Só depois a define como uma emoção. Um exemplo é quando a pessoa está sendo perseguida por um urso. Ela pode sentir taquicardia para a emoção do medo.

Em resumo, a teoria propõe que as emoções produzem estados internos de excitação e o ser humano procura no mundo externo a explicação para isso.

Teoria da Avaliação Cognitiva

Richard Lazarus foi um pioneiro nesta área de emoção. Esta teoria é muitas vezes referida como a teoria de Lazarus da emoção. Baseado na avaliação cognitiva, nós decidimos se a situação é positiva, negativa ou neutra. Uma avaliação positiva ou negativa dispara a excitação fisiológica e o sentimento de uma emoção. A teoria que tem maior expressividade, usada pela terapia cognitivo-comportamental. Basta saber se tenho emoções positivas ou negativa.

Nessa teoria, a sequência de eventos envolve primeiro um estímulo, seguido de pensamento, que então leva à experiência simultânea de uma resposta fisiológica e da emoção. Por exemplo, se encontrar um urso na floresta, a pessoa pode imediatamente começar a pensar que você está em grande perigo. Isto a conduz à experiência emocional do medo e às reações físicas associadas com luta ou fuga.

O modelo Lazarus é baseado no modelo que estabelece mudança nas crenças.

Teoria do Feedback Facial

Esta teoria sugere que as expressões faciais estão conectadas para experimentar emoções. Charles Darwin e William James observaram desde cedo que, às vezes, as respostas fisiológicas muitas vezes tinham um impacto direto sobre a emoção, ao invés de simplesmente ser uma conseqüência da emoção. Os defensores desta teoria sugerem que as emoções estão diretamente ligadas à mudanças nos músculos faciais. Por exemplo, as pessoas que são forçadas a sorrir agradavelmente em uma função social desfrutarão de um tempo melhor no evento do que se tivessem franzido a testa ou com uma expressão facial mais neutra.

emocoes 2
Emoções duram menos do que o humor ou os sentimentos (Flickr)

Emoções servem para que, afinal?

Estudar nossas emoções é muito importante para a nossa sobrevivência e para traçarmos o nosso destino. Elas são indicadores para tomarmos desde uma decisão pequena a uma grande. Elas podem ser efêmeras, como quando ficamos tristes com a atitude de um colega, como podem durar muito tempo como no caso de um luto.

Também nos impulsionam a tomar decisões. Desde uma simples, como escolher a roupa do dia como decidir para qual curso vai tentar o vestibular. Podemos, também, escolher se queremos ter um bom dia ou um péssimo dia. Se prefere companhia de amigos entediados ou de bom astral.

Na linguagem diária, as pessoas costumam usar os termos “emoções” e “humores” de forma intercambiável, mas os psicólogos realmente fazem distinções entre os dois. Como eles se diferem? Uma emoção é normalmente de curta duração, mas intensa. As emoções também são susceptíveis de ter uma causa definitiva e identificável. Por exemplo, depois de discordar com um amigo sobre a política, você pode se sentir irritado por um curto período de tempo.

Um estado de espírito ou humor, por outro lado, é geralmente muito mais suave do que uma emoção, mas mais duradouro. Em muitos casos, pode ser difícil identificar a causa específica de um humor. Por exemplo, você pode se sentir triste por vários dias sem qualquer razão claramente identificável.

No próximo post vou apresentar os sentimentos.  💡

Isso porque tenho um objetivo surpresa. Para compreender o material que estou preparando é preciso saber distinguir bem o que são as emoções, como elas agem e também os sentimentos. Por isso, esses posts com ar didático.

Valerá a pena ler para poder compreender algo maravilhoso que estou preparando.

Enquanto isso, se ainda não assistiu ou quiser ver de novo, recomendo Divertida Mente para compreender o universo das emoções:

Aguarde!  😉

Paz & Luz

#tofelizdavida

Se gostou do post, comente e compartilhe, por favor  😉

↓↓↓↓↓↓↓↓↓↓↓↓↓↓

Emoções: são 6 ou 4? Vamos compreender o por que delas!
Classificado como:                            

Comentários no Facebook

Pular para a barra de ferramentas